Crime quem comete é a Vale. Todo apoio ao professor Evandro Medeiros!

Evandro Medeiros, professor da Unifesspa, ex-diretor da ADUFPA, está sendo processado criminalmente pela mineradora Vale e irá a julgamento nesta terça-feira, dia 22. O motivo? Participar em 2015 em Marabá de um ato de solidariedade às famílias atingidas pelo rompimento de barragem em Mariana-MG. Segundo a justiça e a empresa, ele quis fazer “justiça pelas próprias mãos”.

O rompimento em Mariana provocou a morte de várias pessoas e comprometeu profundamente o rio Doce, com a lama de rejeitos chegando à sua foz, na costa do Espírito Santo.

Até o momento, a Vale e seus administradores, na prática, estão impunes. Esse foi um dos motivos de ter acontecido um novo rompimento, dessa vez em Brumadinho, mas com mais mortes – aproximadamente 270 mortos e desaparecidos.

Na própria região de Carajás, há bacias de rejeitos da mineradora que se acredita estar sob risco de rompimento. Enquanto isso, a empresa continua saqueando nossas riquezas e deixando um rastro de degradação socioambiental.

Pelo exposto, não é o professor Evandro Medeiros que tem que ir ao Banco dos Réus, mas a mineradora e seus administradores.

Não à criminalização dos movimentos sociais.

Toda solidariedade ao professor Evandro Medeiros.

Responsabilização da Vale pelos crimes cometidos e ainda cometendo, seja em Minas Gerais ou no Pará.

 

Belém, 18 de outubro de 2019.

ADUFPA – Associação dos Docentes da UFPA, Seção Sindical do ANDES-SN.