Grito dos Excluídos vai ocupar as ruas em defesa da educação e da Amazônia

Movimentos sociais de todo o país saem às ruas neste sábado, 7, em mais uma edição do tradicional Grito dos Excluídos. Em Belém, o ato público terá início por volta de 8 horas no Mercado de São Brás, de onde os manifestantes sairão em caminhada pelas Avenidas Magalhães Barata e Nazaré até a Praça da República.

A manifestação cujo tema inicial era “Este sistema não vale”, ganhou novos contornos e a expectativa é que seja um grande dia de protesto contra os cortes no orçamento das universidades públicas e as queimadas na Amazônia.

A orientação nacional é que as pessoas saiam às ruas vestidas de preto, em sinônimo de luto e como protesto ao chamado do presidente Jair Bolsonaro, para que os brasileiros vestissem verde e amarelo no dia em que é celebrada oficialmente a independência do Brasil. “Queremos demonstrar nosso luto, mas enquanto verbo, mostrando que estamos lutando em defesa da educação pública e da Amazônia”, afirma o diretor-geral da ADUFPA, Gilberto Marques.

A participação no Grito dos Excluídos foi aprovada na Assembleia Unificada da UFPA no último dia 4 de setembro, quando docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos aprovaram um calendário de mobilizações em defesa da universidade pública.