Nas ruas, manifestantes defendem a educação pública neste dia 13 de agosto

Manifestações nas ruas em quase 90 cidades de todos os Estados e do Distrito Federal marcaram a Greve Nacional da Educação, convocada por entidades estudantis e centrais sindicais para este dia 13 de agosto. O protesto teve como eixo a defesa da educação pública e críticas ao programa Future-se e aos cortes no orçamento das universidades públicas. Os manifestantes também protestaram contra a Reforma da Previdência.

Em Belém, trabalhadores de diversas categorias e estudantes se concentraram em um ato público que ocupou as ruas do centro da cidade. O protesto começou por volta das 9 horas na Praça da República, de onde os manifestantes saíram em caminhada até a Assembleia Legislativa.

A ADUFPA esteve presente na manifestação com uma forte coluna de professores. “Estamos nas ruas para defender a UFPA e a educação pública contra os ataques do governo Bolsonaro, que ao sufocar orçamentariamente as instituições, pretende empurrá-las para a iniciativa privada”, afirmou o diretor-geral da ADUFPA, Gilberto Marques, criticando o programa Future-se e os cortes no Orçamento das universidades.

Os docentes também protestaram contra a Reforma da Previdência e os projetos neoliberais de Bolsonaro e Paulo Guedes.