ADUFPA - Professores da UFPA irão paralisar atividades no dia 10 de novembro

Associação de Docentes da UFPA

Seção sindical do ANDES-SN

Olá visitante

Login ▼

Publicado em 01/11/2017

Professores da UFPA irão paralisar atividades no dia 10 de novembro

Os professores da UFPA aprovaram, em assembleia geral da ADUFPA na manhã de hoje, 1º, a adesão ao Dia Nacional de Lutas, Paralisação e Greve, convocado para 10 de novembro pelas centrais sindicais e dezenas de entidades em todo o país. Os docentes deliberaram, ainda, pela participação no ato unificado, que vai ocorrer em Belém no dia 10, a partir das 8h30, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na Praça Brasil, de onde os manifestantes sairão em caminhada até o mercado do Ver-o-Peso.

 

Durante a assembleia, os professores avaliaram a conjuntura nacional e os recentes ataques do governo Temer, como a Medida Provisória 805/2017, que suspende o reajuste salarial previsto para 2018 e aumenta a contribuição previdenciária de 11% para 14% sobre a parcela do salário que excede o teto do Regime Geral da Previdência, que hoje está em R$ 5.531,31.

 

Os docentes avaliaram que é necessário continuar a construção de uma nova greve geral em conjunto com a classe trabalhadora, mas destacaram a importância de respostas imediatas da categoria aos ataques do governo. Após ampla discussão, os professores decidiram indicar para a próxima reunião do Setor das IFE do ANDES-SN, em data a ser definida, a discussão e deliberação sobre uma greve da categoria por tempo indeterminado. Na UFPA, um Comitê Local de Mobilização foi constituído para fortalecer o trabalho de base.

 

Para a diretora-geral da ADUFPA, Rosimê Meguins, é momento de intensificar a luta, para barrar os ataques diários do governo Temer. “É preciso reagir a esses ataques e de forma unificada, pela base, barrarmos as políticas nefastas deste governo, que retiram nossos direitos e condenam nosso futuro”, afirmou Rosimê.

 

O Dia Nacional de Lutas, Paralisação e Greve, que vai ocorrer em 10 de novembro, véspera da entrada em vigor da Reforma Trabalhista (Lei nº 13467/2017), foi definido inicialmente pelos metalúrgicos e depois incluído na agenda de lutas de dezenas de entidades, entre elas o ANDES-SN e a CSP-Conlutas. As entidades protestam, entre outros pontos, contra a Reforma da Previdência e exigem a revogação da Reforma Trabalhista e da Lei das Terceirizações.